14.5 C
Brasília
4 julho 2020

Trump promete medidas contra a China se o país impuser novas leis que restringem severamente liberdades individuais de residentes de Hong Kong

O presidente americano Donald Trump prometeu tomar medidas contra a China em relação ao seu mais recente plano para aumentar seu domínio sobre Hong Kong. Residentes de Hong Kong temem perder sua liberdade por causa da repressão comunista da China: “um golpe mortal nos direitos humanos”.

O governo comunista chinês do ditador Xi Jinping planeja impor novas leis de segurança que restringem severamente os direitos humanos e outras liberdades individuais dos residentes em Hong Kong.

Na terça-feira (26), na Casa Branca, o presidente americano foi questionado se aplicaria sanções à China se Pequim se movesse contra Hong Kong.

Acompanhe nossas atualizações em seu Facebook siga nossa Página!

“Estamos fazendo algo agora. Acho que você achará muito interessante. Mas não falarei sobre isso hoje”, disse o presidente. “É algo que você vai ouvir … antes do final da semana – de forma muito poderosa, eu acho”, disse Trump.

Quando a cidade foi entregue aos chineses em 1997, a ideia era que Hong Kong estaria sob o acordo de “um país, dois sistemas” por pelo menos meio século. No entanto, parece que a China não está disposta a esperar.

“Não acho que as pessoas sejam otimistas”, disse Yaqiu Wang, pesquisador da Human Rights Watch na China. “A lei de segurança nacional está dando um golpe mortal nos direitos humanos em Hong Kong.”

Como o governo do Partido Comunista Chinês anunciou dias atrás, os planos para impor novas leis de segurança, semelhantes às medidas excessivamente severas usadas no continente, muitos temiam que fosse o fim de Hong Kong como a conhecemos.

“Pequim interveio diretamente e disse que não vão esperar, vão aprovar essa lei aqui em Pequim, que será aplicada a você em Hong Kong”, disse o diretor da Fundação Heritage, Cheng Dean, à CBN News. “Efetivamente, isso significa que Hong Kong não está mais sob a abordagem de ‘um país, dois sistemas’, agora está totalmente integrada à China, apesar de ainda não estarmos em 2047”.

- publicidade -

Muitos residentes de Hong Kong temem pensar em se tornar outra cidade chinesa e perder liberdades pessoais.

“Eu acho isso muito ridículo. Eles prometeram ‘Um país, dois sistemas’, mas o conteúdo da lei de segurança está basicamente implementando ‘Um país, um sistema’”, disse Tiffany Chung, moradora da cidade.

Após meses de protestos pró-democracia, os especialistas veem esse movimento da China como uma maneira de assumir maior controle de segurança de Hong Kong.

“Não acho que as pessoas esperem isso porque o ano passado provou isso, absolutamente que Pequim não está recuando por causa de protestos ou por pressão”, disse Wang.

“As pessoas entendem que, se a lei for implementada, elas provavelmente serão processadas e detidas e até serão presas por falarem criticamente do governo de Hong Kong ou por criticarem o Partido Comunista Chinês, por concorrerem a cargos, por irem às ruas protestar como têm feito no ano passado”, acrescentou Wang.

Cheng diz para a China que a ideia de “um país, dois sistemas” sempre significou realmente um país em relação a dois sistemas.

“O que isso significa é que a liberdade de imprensa, liberdade de expressão, liberdade de reunião, liberdade de protesto, liberdade de expressão, tudo isso estará em risco e também anula a independência do sistema judicial de Hong Kong”, disse Cheng.

A China insiste que a nova repressão é “necessária para evitar atividades separatistas e subversivas”, bem como “interferência estrangeira e terrorismo”.

Antes de mais protestos pró-democracia nesta semana, o principal comandante militar da China em Hong Kong disse que seu exército de 10 mil soldados está pronto para fazer o que for preciso.

“As tropas da guarnição têm determinação, confiança e capacidade para defender a soberania nacional, os interesses de segurança e desenvolvimento e salvaguardar a prosperidade e a estabilidade a longo prazo em Hong Kong”, disse Chen Daoxiang, comandante do exército chinês em Hong Kong, a repórteres nesta semana.

Nos EUA, os parlamentares tanto os republicanos quanto os democratas querem sancionar qualquer autoridade chinesa envolvida na aplicação das novas leis em Hong Kong. O projeto também penalizaria bancos e empresas que ajudam a fazer cumprir a lei.

A Casa Branca está alertando a China contra promulgar as leis.

“Se isso acontecer, haverá sanções a serem impostas a Hong Kong e China. É difícil ver como Hong Kong pode permanecer o centro financeiro asiático em que se tornou se a China assumir o controle”, alertou o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Robert O’ Brien.

E agora os especialistas temem que, se a China passar a ocupar Hong Kong, Taiwan possa ser o próximo na lista de Pequim.

“A realidade é que a China reprimindo Hong Kong significa que Taiwan tem ainda menos razões para acreditar nas promessas chinesas de autonomia e não interferência, caso os dois restaurem a unidade política”, alertou Cheng.

 

Com informações, CBN News.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Dólar começa o dia em baixa, mas sobe e fecha a R$ 5,35

A divulgação de indicadores econômicos positivos nos Estados Unidos não animou o mercado financeiro brasileiro. Depois de começar o dia em baixa, o dólar reverteu o movimento e passou a subir. A bolsa de valores iniciou a sessão com forte alta, mas desacelerou ao longo das negociações e encerrou praticamente estável. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (2) vendido a R$ 5,35, com alta de R$ 0,032 (+0,6%). A divisa abriu em queda e aproximou-se de R$ 5,27 por volta das 11h30, mas passou a subir a partir do fim da manhã. O dólar comercial acumula alta de 33,32% em 2020. O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 6,01, com alta de 0,55%. A libra esterlina comercial subiu 0,66% e encerrou vendida a R$ 6,684. Bolsa O dia foi marcado por oscilações na bolsa. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou esta quinta-feira aos 96.235 pontos, com leve alta de 0,03%. Durante a manhã, o indicador chegou a operar com alta de mais de 1%, mas alternou momentos de ganhos e de perdas durante a tarde. O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com alta de 0,36%. No início da manhã, a divulgação de que a economia norte-americana criou 4,8 milhões de empregos em junho, com o segundo mês seguido de alta, animou os mercados globais ao indicar que a recuperação da maior economia do planeta está se acelerando. No entanto, o aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos pressionou os mercados financeiros em todo o planeta durante a tarde. Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Weintraub chama Miriam Leitão de ‘jararaca’ e diz que ela está ‘acabada’

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a ser envolver em mais uma discussão no Twitter. Ele reagiu a uma publicação da jornalista Miriam Leitão,...

BNDES lidera grupo de bancos que vão participar da Conta-Covid

Dezenove instituições financeiras públicas e privadas, coordenadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vão participar da Conta-Covid, financiamento emergencial destinado ao setor elétrico para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. O BNDES, junto com o grupo de bancos públicos, vai aportar 30% do total de até R$ 16,4 bilhões que serão liberados para as distribuidoras. Os restantes 70% serão oriundos dos bancos privados. A Conta-Covid foi regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) no último dia 23 de junho. Trata-se de uma operação de mercado, sem recursos do Tesouro Nacional, que foi estruturada sob a forma de empréstimo sindicalizado de bancos. A operação é lastreada por ativos tarifários, disse o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa. O processo de formação do grupo das 19 instituições financeiras participantes se deu após negociação, que contou com o apoio dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Economia (ME). Adesão A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) foi designada gestora da conta. Ela vai contratar a operação de crédito e repassar os recursos para as distribuidoras, que terão até amanhã (3) para fazerem sua adesão à iniciativa. A previsão é que os recursos serão liberados no final deste mês. De acordo com o BNDES, o empréstimo terá custo de Certificados de Depósitos Interbancários (CDI) + 2,9% ao ano, com 11 meses de carência e prazo de 54 meses para amortização. O BNDES informou também que a operação foi organizada com o objetivo de evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica, que seriam originados do próximo processo tarifário ordinário das distribuidoras. Com a Conta-Covid, esses valores serão diluídos em 60 meses, reduzindo os índices dos reajustes a serem aprovados este ano. “A medida garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos”, expôs o banco.

Senado aprova MP sobre acionistas de sociedades anônimas

O Senado aprovou hoje (2) a Medida Provisória (MP) 931/2020, que autoriza as sociedades anônimas (SAs) a estender o prazo para realização de assembleia...

nOTÍCIAS rELACIONADAS

Dólar começa o dia em baixa, mas sobe e fecha a R$ 5,35

A divulgação de indicadores econômicos positivos nos Estados Unidos não animou o mercado financeiro brasileiro. Depois de começar o dia em baixa, o dólar reverteu o movimento e passou a subir. A bolsa de valores iniciou a sessão com forte alta, mas desacelerou ao longo das negociações e encerrou praticamente estável. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (2) vendido a R$ 5,35, com alta de R$ 0,032 (+0,6%). A divisa abriu em queda e aproximou-se de R$ 5,27 por volta das 11h30, mas passou a subir a partir do fim da manhã. O dólar comercial acumula alta de 33,32% em 2020. O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 6,01, com alta de 0,55%. A libra esterlina comercial subiu 0,66% e encerrou vendida a R$ 6,684. Bolsa O dia foi marcado por oscilações na bolsa. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou esta quinta-feira aos 96.235 pontos, com leve alta de 0,03%. Durante a manhã, o indicador chegou a operar com alta de mais de 1%, mas alternou momentos de ganhos e de perdas durante a tarde. O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com alta de 0,36%. No início da manhã, a divulgação de que a economia norte-americana criou 4,8 milhões de empregos em junho, com o segundo mês seguido de alta, animou os mercados globais ao indicar que a recuperação da maior economia do planeta está se acelerando. No entanto, o aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos pressionou os mercados financeiros em todo o planeta durante a tarde. Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Weintraub chama Miriam Leitão de ‘jararaca’ e diz que ela está ‘acabada’

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a ser envolver em mais uma discussão no Twitter. Ele reagiu a uma publicação da jornalista Miriam Leitão,...

BNDES lidera grupo de bancos que vão participar da Conta-Covid

Dezenove instituições financeiras públicas e privadas, coordenadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vão participar da Conta-Covid, financiamento emergencial destinado ao setor elétrico para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. O BNDES, junto com o grupo de bancos públicos, vai aportar 30% do total de até R$ 16,4 bilhões que serão liberados para as distribuidoras. Os restantes 70% serão oriundos dos bancos privados. A Conta-Covid foi regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) no último dia 23 de junho. Trata-se de uma operação de mercado, sem recursos do Tesouro Nacional, que foi estruturada sob a forma de empréstimo sindicalizado de bancos. A operação é lastreada por ativos tarifários, disse o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa. O processo de formação do grupo das 19 instituições financeiras participantes se deu após negociação, que contou com o apoio dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Economia (ME). Adesão A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) foi designada gestora da conta. Ela vai contratar a operação de crédito e repassar os recursos para as distribuidoras, que terão até amanhã (3) para fazerem sua adesão à iniciativa. A previsão é que os recursos serão liberados no final deste mês. De acordo com o BNDES, o empréstimo terá custo de Certificados de Depósitos Interbancários (CDI) + 2,9% ao ano, com 11 meses de carência e prazo de 54 meses para amortização. O BNDES informou também que a operação foi organizada com o objetivo de evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica, que seriam originados do próximo processo tarifário ordinário das distribuidoras. Com a Conta-Covid, esses valores serão diluídos em 60 meses, reduzindo os índices dos reajustes a serem aprovados este ano. “A medida garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos”, expôs o banco.

Senado aprova MP sobre acionistas de sociedades anônimas

O Senado aprovou hoje (2) a Medida Provisória (MP) 931/2020, que autoriza as sociedades anônimas (SAs) a estender o prazo para realização de assembleia...