17.1 C
Brasília
4 julho 2020

COLUNA: Os histéricos voltaram às ruas

O domingo do dia 31 teria sido mais um típico domingo dos apoiadores do presidente Bolsonaro. Mais uma oportunidade para o povo mostrar a sua insatisfação contra a elite desmiolada que insiste em querer controlá-lo. Mais uma demonstração de apoio a um presidente de mãos atadas, que possui o cargo, mas não mais os meios de exercê-lo, pois o establishment espuma de ódio ao ver no poder um fiel representante dos valores mais caros ao povo brasileiro. Seria, por fim, um grito desesperado, mas firme, contra a tirania dos togados imposta pelos onze membros do Supremo Tribunal Federal.

Seria, pois os arruaceiros do outro lado resolveram agir e fazer aquilo que é a especialidade da esquerda em qualquer lugar: destruir. Os antifas tupiniquins tomaram as atenções do público ao irem à Avenida Paulista. Causaram confusão, agrediram manifestantes pacíficos pró-Bolsonaro e até mesmo três policiais que cometeram o absurdo de fazer o seu trabalho. Partiram para a porrada com o salvo-conduto de gritarem por democracia, a palavrinha mágica que te dá o direito de defender os piores tiranos e assassinos da história e ainda assim pagar de humanista. Em nome de um bem  hipotético, vale tudo.

Não dá para ignorar alguns aspectos desse ocorrido que não são tão óbvios para a maioria das pessoas, mas que necessitam de algumas breves considerações. Para tanto, uma coisa precisa ficar clara: a esquerda apostou – e provavelmente apostará – na mesma tática das manifestações de 2013 com os black blocs. Não há nada novo debaixo do sol, já dizia o Eclesiastes.

Acompanhe nossas atualizações em seu Facebook siga nossa Página!

Naquele fatídico ano, a extrema esquerda tentou controlar as manifestações inicialmente motivadas por aumento nas passagens de ônibus e pelos gastos fabulosos com a Copa do Mundo. Fez isso com autorização do comando do Foro de São Paulo, que queria usar os protestos como forma de passar adiante a próxima fase de seu plano de poder absoluto, pois o fim do governo Lula era para o Foro o fim da fase de transição da democracia capitalista – bem à moda da casa – para o socialismo pleno. O acontecimento das ruas investiria o governo Dilma de legitimidade para aumentar ainda mais a burocracia estatal como forma de resolver os problemas levantados nas manifestações, e assim dar ao partido governante os meios para a execução daquilo que a cúpula do Foro estabeleceu e programou para o terceiro mandato petista.

O plano era ótimo, mas faltou combiná-lo com os próprios manifestantes. Em um passe de mágica as ruas foram dominadas por militantes conservadores, liberais e cidadãos sem qualquer consciência ideológica, todos com um alvo em comum: o governo da sra. Dilma Rousseff. O descalabro econômico tantas vezes anunciado começava a dar os primeiros sinais na vida real, e a sensação de que o país estava indo para o buraco dominava a mente dos descontentes. O que era programado para ser uma reafirmação dos valores esquerdistas hegemônicos no país desde o advento da Nova República acabou por marcar o início da onda conservadora e a volta – ainda tímida – da direita no cenário político brasileiro. A coisa saiu do controle do Foro de São Paulo, e ele precisava agir.

A solução encontrada foi dar um basta nas manifestações de qualquer jeito. Entraram em cena os black blocs, que quebravam tudo e amedrontavam quem ainda ia às ruas. Além de impedir os protestos dos opositores do governo, os arruaceiros davam ao próprio governo um pretexto de aumentar seu poder para coibir a ação dos desordeiros e restabelecer a ordem. O comando do Foro de São Paulo percebeu pela primeira vez que a esquerda não estava mais sozinha e teria de enfrentar, mais cedo ou mais tarde, algum contraponto político e ideológico.

Esse contraponto conseguiu um feito até então impensável: eleger um presidente conservador e anti-establishment. A vitória de Jair Bolsonaro em 2018 foi o resultado prático do renascimento das forças conservadoras e liberais na vida pública brasileira. Bastante tardio, é verdade, mas necessário. A eleição de um candidato direitista foi a primeira vitória dessa corrente política desde 1989.

Mas o establishment colocou e cola inúmeras dificuldades em seu governo, restando somente o apoio popular. E esse apoio é demonstrado em inúmeras manifestações em apoio ao presidente, no claro sentido de dar legitimidade aos objetivos de Bolsonaro e seus apoiadores. Dar um basta nesses atos e fazer ruir esse apoio são os sonhos dourados da esquerda brasileira. Os estragos arruaceiros da Avenida Paulista representam nada mais que a mesma estratégia posta em prática em 2013.

- publicidade -

Se a esquerda logrará êxito nisso, só o tempo dirá. O certo é que os histéricos voltaram às ruas.

***

Os Estados Unidos passam por uma situação pior. O assassinato de George Floyd provocou a ira da população por ter sido racialmente motivado. A estupidez e a truculência desnecessárias de um policial branco para com um cidadão negro foram repudiadas por políticos e intelectuais dos dois lados do espectro político.

Mas a convergência parou por aí. Enquanto republicanos expuseram sua indignação no caso e colocaram na justiça americana a responsabilidade para sua resolução, os democratas aproveitaram a oportunidade para instaurar no país inteiro um clima de caos, terror e destruição. Os antifas saqueiam estabelecimentos comerciais, ateiam fogo em igrejas e agridem outras pessoas que não compactuam com a violência gratuita.

Alexandria Ocasio-Cortez – a ícone da boçalidade e da ignorância das feministas americanas – foi além de dar apoio verbal aos antifas: participa também de arrecadação financeira para subsidiar os arruaceiros enragés. Ela é deputada democrata por Nova Iorque. Se isso não é um claro estímulo do Partido Democrata ao estado de coisas vigente, eu sou a AOC em pessoa.

O Partido Democrata vai usar as manifestações violentas para conquistar dividendos políticos até quando for conveniente. Mais uma prova de que o american people não importa para a esquerda americana. O que importa é o poder absoluto – mesmo se for necessário usar politicamente o assassinato de um cidadão.

***

Voltando ao caso brasileiro, a grande mídia em peso fez louvores aos atos da esquerda e classificou como atos em defesa da democracia. Mas os seus integrantes levavam consigo bandeiras com o símbolo do anarquismo, que é por definição uma ideologia que prega o fim do Estado, e consequente da própria democracia. A oposição entre anarquia e democracia salta aos olhos da cara para qualquer pessoa minimamente bem informada.

Mas em nome da causa, vale tudo. Ignorar conceitos primitivos da ciência política é precisamente o que os palpiteiros da grande mídia brasileira sabem fazer de melhor. Em matéria de burrice, ninguém pode com ela.

Referências:

Fonte: conexaopolitica.com.br/ultimas/coluna-os-histericos-voltaram-as-ruas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Dólar começa o dia em baixa, mas sobe e fecha a R$ 5,35

A divulgação de indicadores econômicos positivos nos Estados Unidos não animou o mercado financeiro brasileiro. Depois de começar o dia em baixa, o dólar reverteu o movimento e passou a subir. A bolsa de valores iniciou a sessão com forte alta, mas desacelerou ao longo das negociações e encerrou praticamente estável. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (2) vendido a R$ 5,35, com alta de R$ 0,032 (+0,6%). A divisa abriu em queda e aproximou-se de R$ 5,27 por volta das 11h30, mas passou a subir a partir do fim da manhã. O dólar comercial acumula alta de 33,32% em 2020. O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 6,01, com alta de 0,55%. A libra esterlina comercial subiu 0,66% e encerrou vendida a R$ 6,684. Bolsa O dia foi marcado por oscilações na bolsa. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou esta quinta-feira aos 96.235 pontos, com leve alta de 0,03%. Durante a manhã, o indicador chegou a operar com alta de mais de 1%, mas alternou momentos de ganhos e de perdas durante a tarde. O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com alta de 0,36%. No início da manhã, a divulgação de que a economia norte-americana criou 4,8 milhões de empregos em junho, com o segundo mês seguido de alta, animou os mercados globais ao indicar que a recuperação da maior economia do planeta está se acelerando. No entanto, o aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos pressionou os mercados financeiros em todo o planeta durante a tarde. Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Weintraub chama Miriam Leitão de ‘jararaca’ e diz que ela está ‘acabada’

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a ser envolver em mais uma discussão no Twitter. Ele reagiu a uma publicação da jornalista Miriam Leitão,...

BNDES lidera grupo de bancos que vão participar da Conta-Covid

Dezenove instituições financeiras públicas e privadas, coordenadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vão participar da Conta-Covid, financiamento emergencial destinado ao setor elétrico para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. O BNDES, junto com o grupo de bancos públicos, vai aportar 30% do total de até R$ 16,4 bilhões que serão liberados para as distribuidoras. Os restantes 70% serão oriundos dos bancos privados. A Conta-Covid foi regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) no último dia 23 de junho. Trata-se de uma operação de mercado, sem recursos do Tesouro Nacional, que foi estruturada sob a forma de empréstimo sindicalizado de bancos. A operação é lastreada por ativos tarifários, disse o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa. O processo de formação do grupo das 19 instituições financeiras participantes se deu após negociação, que contou com o apoio dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Economia (ME). Adesão A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) foi designada gestora da conta. Ela vai contratar a operação de crédito e repassar os recursos para as distribuidoras, que terão até amanhã (3) para fazerem sua adesão à iniciativa. A previsão é que os recursos serão liberados no final deste mês. De acordo com o BNDES, o empréstimo terá custo de Certificados de Depósitos Interbancários (CDI) + 2,9% ao ano, com 11 meses de carência e prazo de 54 meses para amortização. O BNDES informou também que a operação foi organizada com o objetivo de evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica, que seriam originados do próximo processo tarifário ordinário das distribuidoras. Com a Conta-Covid, esses valores serão diluídos em 60 meses, reduzindo os índices dos reajustes a serem aprovados este ano. “A medida garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos”, expôs o banco.

Senado aprova MP sobre acionistas de sociedades anônimas

O Senado aprovou hoje (2) a Medida Provisória (MP) 931/2020, que autoriza as sociedades anônimas (SAs) a estender o prazo para realização de assembleia...

nOTÍCIAS rELACIONADAS

Dólar começa o dia em baixa, mas sobe e fecha a R$ 5,35

A divulgação de indicadores econômicos positivos nos Estados Unidos não animou o mercado financeiro brasileiro. Depois de começar o dia em baixa, o dólar reverteu o movimento e passou a subir. A bolsa de valores iniciou a sessão com forte alta, mas desacelerou ao longo das negociações e encerrou praticamente estável. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (2) vendido a R$ 5,35, com alta de R$ 0,032 (+0,6%). A divisa abriu em queda e aproximou-se de R$ 5,27 por volta das 11h30, mas passou a subir a partir do fim da manhã. O dólar comercial acumula alta de 33,32% em 2020. O euro comercial fechou o dia vendido a R$ 6,01, com alta de 0,55%. A libra esterlina comercial subiu 0,66% e encerrou vendida a R$ 6,684. Bolsa O dia foi marcado por oscilações na bolsa. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou esta quinta-feira aos 96.235 pontos, com leve alta de 0,03%. Durante a manhã, o indicador chegou a operar com alta de mais de 1%, mas alternou momentos de ganhos e de perdas durante a tarde. O Ibovespa seguiu o mercado norte-americano. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com alta de 0,36%. No início da manhã, a divulgação de que a economia norte-americana criou 4,8 milhões de empregos em junho, com o segundo mês seguido de alta, animou os mercados globais ao indicar que a recuperação da maior economia do planeta está se acelerando. No entanto, o aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos pressionou os mercados financeiros em todo o planeta durante a tarde. Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Weintraub chama Miriam Leitão de ‘jararaca’ e diz que ela está ‘acabada’

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, voltou a ser envolver em mais uma discussão no Twitter. Ele reagiu a uma publicação da jornalista Miriam Leitão,...

BNDES lidera grupo de bancos que vão participar da Conta-Covid

Dezenove instituições financeiras públicas e privadas, coordenadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), vão participar da Conta-Covid, financiamento emergencial destinado ao setor elétrico para enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. O BNDES, junto com o grupo de bancos públicos, vai aportar 30% do total de até R$ 16,4 bilhões que serão liberados para as distribuidoras. Os restantes 70% serão oriundos dos bancos privados. A Conta-Covid foi regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) no último dia 23 de junho. Trata-se de uma operação de mercado, sem recursos do Tesouro Nacional, que foi estruturada sob a forma de empréstimo sindicalizado de bancos. A operação é lastreada por ativos tarifários, disse o BNDES, por meio de sua assessoria de imprensa. O processo de formação do grupo das 19 instituições financeiras participantes se deu após negociação, que contou com o apoio dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Economia (ME). Adesão A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) foi designada gestora da conta. Ela vai contratar a operação de crédito e repassar os recursos para as distribuidoras, que terão até amanhã (3) para fazerem sua adesão à iniciativa. A previsão é que os recursos serão liberados no final deste mês. De acordo com o BNDES, o empréstimo terá custo de Certificados de Depósitos Interbancários (CDI) + 2,9% ao ano, com 11 meses de carência e prazo de 54 meses para amortização. O BNDES informou também que a operação foi organizada com o objetivo de evitar reajustes maiores nas tarifas de energia elétrica, que seriam originados do próximo processo tarifário ordinário das distribuidoras. Com a Conta-Covid, esses valores serão diluídos em 60 meses, reduzindo os índices dos reajustes a serem aprovados este ano. “A medida garante às distribuidoras os recursos financeiros necessários para compensar a perda de receita temporária em decorrência da pandemia e protege os demais agentes do setor ao permitir que as distribuidoras continuem honrando seus contratos”, expôs o banco.

Senado aprova MP sobre acionistas de sociedades anônimas

O Senado aprovou hoje (2) a Medida Provisória (MP) 931/2020, que autoriza as sociedades anônimas (SAs) a estender o prazo para realização de assembleia...