Na manhã desta quinta-feira (29), o Governador do RJ Luiz Fernando Pezão (MDB) foi preso pela força-tarefa da Lava Jato.

Pesão recebeu a visita dos policiais por volta das 6h no Palácio Laranjeiras, residência oficial do chefe do estado.

Essa operação da Lava Jato foi batizada de “Boca de Lobo”, e levou esse nome baseada na delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro de Sérgio Cabral. O ex-governador, de quem Pezão foi vice, também está preso.

Motivos que levaram a prisão do governador Pesão

Governador do RJ é preso pela Polícia Federal na Lava Jato (Foto:G1)

Segundo o Ministério Público Federal, Pezão opera esquema de corrupção com seus próprios operadores financeiros. Há provas documentais do pagamento em espécie a Pezão de quase R$ 40 milhões, em valores de hoje, entre 2007 e 2015.

Na avaliação da força-tarefa da Lava Jato, solto, o governador poderia dificultar ainda mais a recuperação dos valores, além de dissipar o patrimônio adquirido em decorrência da prática criminosa. Segundo o MPF, o esquema de corrupção ainda estava ativo.

Além da apreensão de hoje, a Polícia Federal cumpre ainda 30 mandados de busca, sendo uma delas na casa de Pezão em Piraí, no Sul do estado, base do governador.

Há equipes também no Palácio Guanabara, sede do governo, em Laranjeiras.

Atualmente, dos três poderes do Estado do Rio, estão presos o governador e o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani.

Saiba mais sobre a Operação Boca de Lobo

Polícia Federal chegou ao Palácio Laranjeiras no início da manhã desta quinta-feira — Foto: Cristina Boeckel / G1
Polícia Federal chegou ao Palácio Laranjeiras no início da manhã desta quinta-feira para a prisão do Governador Pesão na Operação Boca de Lobo — Foto: Cristina Boeckel / G1

De acordo com o delator Carlos Miranda, ele recebia cerca de R$ 150 mil de mesada de Pesão na época em que ele era vice do então governador Sérgio Cabral. Também houve, segundo a delação, pagamento de 13º de propina e ainda dois bônus de R$ 1 milhão como prêmio.

Segundo o depoimento à Justiça, o “homem da mala” do ex-governador Sérgio Cabral disse que o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, guardou R$ 1 milhão em propina com um empresário do Sul Fluminense.

O dinheiro vinha de empreiteiras e fornecedoras que tinham contrato com o governo do estado, afirmou o delator. Miranda acrescentou ainda que, de 2007 a 2014, Pezão, na época vice-governador, também ganhou um 13º salário, além de dois bônus, de R$ 1 milhão cada.

Boca de Lobo é o dispositivo instalados em vias públicas para receber o escoamento das águas da chuva drenadas pelas sarjetas com destino às galerias pluviais.

O nome da operação faz alusão aos desvios de recursos, revelados nas diversas fases da Operação Lava Jato, que causa a sensação na sociedade de que o dinheiro público vem escorrendo para o esgoto.

Deixe uma resposta